terça-feira, 1 de maio de 2018

Tempos bons rapaziada de primeira.Grupo Ébano.

A imagem pode conter: 10 pessoas
Tempo bom rapaziada de primeira.Grupo Ébano. Maurão,Xavier Filho cantor e compositor, José Carlos,( Zoreia),Edimilson,Arlindo Cruz cantor e compositor,Altamiro,Borba cantor e compositor, Luizinho da Vila,Tadeu,Vandão,Lelo baterista, musico violonista do Arlindo Cruz.

Fonte:Luizinho da Vila

Contracapa

Foto: Divulgação


Chico e França
Convite 
O vereador Francisco Moacir Bezerra de Melo Filho (PSB), o Chico Bezerra, aproveitou um encontro do partido nessa semana para convidar o vice-governador Márcio França (PSB), que assumirá o governo estadual com a saída de Geraldo Alckmin (PSDB), para participar do Akimatsuri, que começa amanhã e segue no próximo fim de semana. 

Pleitos 
Um dos pedidos de Bezerra será a reforma e ampliação da Maternidade e UTI Neonatal da Santa Casa de Mogi, que vem sofrendo constantes problemas de superlotação. O vereador vai solicitar ainda, atenção e obras na rodovia Mogi-Bertioga (SP-98). 

Homenagem 
A vinda do novo governador pode proporcionar também a entrega do título de Cidadão Mogiano. De acordo com Bezerra, o projeto para conceder a honraria já foi aprovado pelo Legislativo em 2015. 

Ideia
O vereador Rodrigo Valverde (PT) apresentou um projeto de lei para que a Prefeitura passe a publicar no Portal da Transparência informações relativas aos eventos promovidos, patrocinados ou apoiados pela administração municipal. O texto precisa passar pelas comissões antes de seguir para votação em plenário.

Regras
De acordo com a proposta apresentada por Valverde, a Prefeitura deverá incluir no Portal da Transparência dados como o nome e descrição do evento, duração, local de realização, nome do órgão ou entidade responsável, além de nome do promotor do evento, bem como o montante de recursos que foram encaminhados pela administração municipal.

Fonte:Mogi News

Isabella Grisaro* Parque Centenário Autoridades inauguram portal que homenageia a imigração japonesa

Isabella Grisaro*
Parque Centenário
Autoridades inauguram portal que homenageia a imigração japonesa
Estrutura com dez metros de altura e 11 de largura representa os 110 anos da vinda do povo japonês ao Brasil
Foto: Vitoria Mikaelli


Torii está na entrada do Parque Centenário e dá às boas-vindas aos visitantes, desejando-lhes prosperidade
A cerimônia de inauguração do novo portal japonês, o torii, no Parque Centenário da Imigração Japonesa, em Mogi das Cruzes, ocorreu na manhã de ontem. A homenagem representa os 110 anos da imigração, que serão completados em 8 de junho deste ano e é uma doação da empresa MN Própolis para o município. O evento contou também com apresentações musicais do grupo Ryuko Taiko para prestigiar a ocasião especial.
O prefeito Marcus Melo (PSDB), a primeira-dama Karin Melo, o vice-prefeito Juliano Abe e diversas outras autoridades do município estavam presentes para observar o novo portal, que levou cerca de quatro meses para ser concluído e foi uma idealização de Norihito Matsuda e a sua esposa, Harko Matsuda, proprietários da MN Própolis.
O torii está localizado na entrada do Parque Centenário e possui dez metros de altura e 11 metros de largura e, segundo Matsuda, o significado está relacionado às boas-vindas. "Todas as pessoas que passam embaixo do torii recebem felicidade e terão uma vida próspera", disse ele. Um dos principais objetivos da ação foi deixar um legado para Mogi, como algo que pudesse permanecer por muitos anos. 
A ação foi intermediada pelo Bunkyo de Mogi das Cruzes, e também contou com a ajuda das secretarias de Cultura, Meio Ambiente e Turismo. O presidente do Bunkyo, Frank Tuda, comentou sobre a representatividade do novo presente. "Muitos acham que é algo religioso, porém, não é. O portal marca a entrada para lugares importantes e ficamos muito felizes em reforçar os laços de união e amizade entre o Japão e o Brasil", reforçou Tuda.
Já o prefeito Marcus Melo ressaltou que, quando a comunidade atua em conjunto, os trabalhos dão certo e, também, que essa nova conquista dará as boas-vindas aos visitantes do parque mogiano. "Nada mais justo do que ter um torii para receber bem as famílias mogianas que vêm ao parque para aproveitar o dia e descansar em meio à natureza deste lugar ", concluiu o chefe do executivo municipal.
Porém, para a memória poder durar por muitos anos e passar por várias gerações, foi necessário que tivesse um bom planejamento, como explicou a estudante de arquitetura Catherine Miwa Kian, 19 anos, que realizou o desenho 3D de toda a estrutura. Ela contou que o torii é reforçado e que se a população ajudar a conservar, poderá marcar a cidade por muito tempo. "Possui uma fundação de quatro metros, além de bases de mais um metro cada e foi fabricado com materiais muito resistentes", disse Miwa, acrescentando que gostou da iniciativa.*Texto sob a supervisão do editor.

Fonte:Mogi News

sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018

Doença do pombo deixa três pessoas hospitalizadas no Distrito Federal Ao menos cinco moradores do DF foram contaminados, este ano, por fungos

Resultado de imagem para fotos de pombos presentes nas fezes das aves, concentradas em pontos com concentração de lixo e sobras de comida. Doença causa meningite, complicações cerebrais, pneumonia e até a morte
OA Otávio Augusto
postado em 22/02/2018 06:00 / atualizado em 22/02/2018 12:14

Especialistas recomendam maior controle da população de pombos(foto: Minervino Junior/CB/D.A Press)
Especialistas recomendam maior controle da população de pombos


Continua depois da publicidade

Três pessoas estão internadas no Hospital de Base contaminadas com criptococose, doença infecciosa letal transmitida por fungos presentes nas fezes de pombos. Dois pacientes receberam alta no início da semana após ficarem quase um mês hospitalizados. O mal causa meningite, complicações cerebrais e pneumonia. O índice de mortalidade, segundo a literatura médica, chega a 70%. Especialistas dizem ser preciso controlar a proliferação dessas aves para reduzir os riscos de infecção. 

Embora pareça baixo, os cinco casos são um indicativo da necessidade do monitoramento da população de pombos — considerado praga urbana. Além da criptococose, eles podem transmitir psitacose (que atinge os pulmões), histoplasmose (causa infecções) e salmonelose (afeta o intestino). Os casos não são de notificação compulsória, ou seja, a Secretaria de Saúde não é obrigada a fazer o registro. Mas algumas unidades registraram informalmente casos em 2017. Ninguém morreu no DF com a doença.

Há 19 dias, a família da auxiliar de serviços gerais Valdinéia Almeida Castro, 39 anos, trava uma batalha contra o fungo. Mãe de duas meninas, de 11 e 13 anos, a moradora de Taguatinga faz parte do trio hospitalizado. O primeiro sintoma, uma dor de cabeça forte, apareceu em 3 de fevereiro. Do atendimento na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Recanto das Emas à internação no Hospital de Base foram seis dias.

“Os médicos pediram uma tomografia, depois uma ressonância magnética. Havia uma mancha grande no cérebro”, conta a manicure Valquiria Almeida Castro, 43, irmã de Valdinéia. 

O fungo causa alterações no trato respiratório e no sistema nervoso central. Dependendo da região do cérebro atingida, diminui a consciência, provoca convulsões, cegueira e surdez. A contaminação ocorre pela aspiração do fungo. “As sequelas são graves. A reação inflamatória pode levar a meningite e a morte”, destaca a neurologista Jerusa Smid da Academia Brasileira de Neurologia.

Controle
O protocolo do Ministério da Saúde destaca como medida preventiva o controle da população dos pombos. “Há locais, como em quadras comerciais, em que o lixo é acondicionado inadequadamente. Não podemos alimentar essas aves”, ressalta a infectologista Joana D’Arc Silva, especialista em medicina tropical.

A Secretaria de Saúde recomenda que em locais onde há muitos pombos os moradores peçam uma inspeção da Diretoria de Vigilância Ambiental, pelo telefone 160. “Os técnicos da diretoria agendarão uma visita para analisar o risco relativo à saúde pública e tomar as providências. A Vigilância Ambiental não faz captura ou eliminação desses animais, porém, nas inspeções, identifica a origem do foco”, explica a pasta, em nota.

A reportagem fez três orçamentos em empresas de dedetização contra pombos. O processo é feito em três fases, custa R$ 900 e deve ser repetido a cada dois meses. Técnicos aplicam inseticida contra o piolho do pombo. Depois, recolhem ovos, pombos e ninhos. Por fim, usam um repelente para afastar novos animais. Doença do pombo: Saiba como evitar o mal infeccioso, que pode matar. 

A infecção


» O fungo causa alterações no trato respiratório e no sistema nervoso;
» Pode causar meningite e pneumonia,  provoca convulsões, cegueira e surdez;
» A doença pode levar à morte;
» A contaminação ocorre pela aspiração do fungo;
» O fungo está nas fezes do pombo;
» A principal medida preventiva é o controle da população de pombos;
» Os principais sintomas são dores de cabeça, confusão mental e comprometimento pulmonar.


Memória


Mortes no Centro-Oeste
Nos últimos sete anos, ao menos duas pessoas morreram em Goiás e no Mato Grosso com criptococose. Em dezembro de 2011, uma adolescente de 17 anos morreu em consequência da doença em Anápolis (GO). Em 2013, um caso grave foi registrado na região metropolitana de Goiânia. O paciente se recuperou. Em março do ano passado, o funcionário dos Correios de Várzea Grande (MT) Celso Luis Gomes, 47 anos, morreu afetado pelo fungo.
Fonte:Correio Braziliese